+351 262 841 392
 [email protected]

Noticia

Um terço dos portugueses consome notícias online

Os portugueses acedem à Internet para saber o que se passa no mundo mas é na televisão que a maioria procura as notícias do dia. Naquele que é o primeiro relatório do Reuters Institute for the Study of Journalism (RISJ), da Universidade de Oxford, sobre o consumo de notícias em Portugal, as conclusões apontam para hábitos que passam pelo recurso à Internet, incluindo as redes sociais, e pelo uso preferencial do computador para consumir informação, ainda que muitos portugueses já usem o smartphone.

O estudo sobre Portugal teve como amostra 1086 utilizadores de Internet, questionados sobre os seus hábitos de consumo de notícias. Sobre o meio mais utilizado para aceder a informação noticiosa, o relatório do RISJ, patrocinado pelo Google e que, em Portugal, teve como parceiros o OberCom – Observatório da Comunicação e o Centro de Investigação e Estudos de Sociologia-Instituto Universitário de Lisboa, adianta que 55% dos inquiridos indicaram a televisão e 33% a Internet, incluindo as redes sociais. A rádio e os jornais impressos foram ambos apontados por 4% da amostra.

O coordenador da equipa OberCom/CIES-IUL, Gustavo Cardoso, indica ao PÚBLICO ainda que 13,5% dos portugueses “dizem que os noticiários televisivos são a sua principal fonte de notícias e só 3,9% [referem] que é a imprensa escrita”. O coordenador observa que a televisão “ganhou um papel que dificilmente será rapidamente substituído”, esperando-se que venham a surgir “novas formas de consumir televisão através da Internet e que essa mestiçagem tecnológica produza também novos hábitos do relacionamento com as notícias”.

Na Internet, a utilização das redes sociais para estar a par das notícias também se mostrou um hábito. O Facebook é o mais usado (67%), bem distante da segunda opção, o YouTube (26%), bem como do Google + e do Twitter (3%).

Com base em dados reunidos pela equipa OberCom/CIES-IUL, no âmbito do inquérito Sociedade em Rede realizado nos últimos anos, Gustavo Cardoso indica que “as taxas de utilização em Portugal de redes sociais tendem a ser mais altas, para fins gerais (e não apenas notícias), sendo o entretenimento e as relações interpessoais dimensões de utilização muito expressivas na presença nas redes sociais”. No caso do Facebook, o coordenador sublinha que mais de 90% dos portugueses ouvidos para o inquérito Sociedade em Rede usam a rede social para fins gerais, uma percentagem acima dos 67% que a procuram para notícias.

“Todos os estudos mostram que as notícias são vistas em telejornais, seja nas televisões ou nos ecrãs de PC ou tablet, e que são lidas no Facebook. O que parece surgir cada vez mais é uma conjugação entre o valor da marca noticiosa, que continua a ser valorizado, com a facilidade de aceder à notícia – no Facebook, no SAPO, no Notícias ao Minuto, no Google, tudo espaços online onde as notícias vão parar. Há, portanto, mudanças de formas de consumo enquanto outras se mantêm”, argumenta Gustavo Cardoso.

O relatório do RISJ concluiu ainda que quanto aos suportes escolhidos para ver e ler informação online, 78% das pessoas questionadas usam o computador, 10 pontos percentuais acima da média total dos 18 países incluídos no relatório do RISJ. Os smartphones (34%) e os tablets (21%) seguem-se nas preferências.

À pergunta sobre se acedeu mais a produtos noticiosos nascidos de forma tradicional ou aos que só existem em formato digital, 78% mostraram-se mais interessados pelos conteúdos noticiosos criados no mundo offline. A marca nascida online mais repetida pelos inquiridos portugueses para aceder a notícias foi o SAPO (26%), um agregador de notícias, seguido do site Notícias ao Minuto (23%). Do lado internacional, as escolhas recaíram sobre o Google News (17%).

Portugal distancia-se mais uma vez da média dos 18 países estudados quando se fala sobre o pagamento de conteúdos de informação noticiosa disponíveis na Internet. Apenas 7% indicaram que o fazem – uma percentagem semelhante aos consumidores de notícias alemães ou britânicos -, quando a média dos países incluídos no relatório é de 11%.

Fonte: http://www.publico.pt/tecnologia/noticia/um-terco-dos-portugueses-consome-noticias-online-mas-mais-de-metade-mantemse-fiel-a-tv-1712058

Noticias Relacionadas

Podem os semáforos ajudar o trânsito nas Caldas?

Poderá a instalação de semáforos ajudar a fluidez do trânsito nas Caldas da Rainha

Programa europeu trouxe às Caldas 60 professores durante uma semana

Ricardo Querido trouxe às Caldas da Rainha 60 professores de 10 países da Europa